da virtualidade da tese, ao acordar

Teses são como sonhos. Se não escritos às pressas no momento em que vislumbramos a sua possibilidade, se esfumaçam, sobra nada.

Facilmente a gente se esquece do que antevia imaginado, pois já outro. Ela advem do invisível, o texto redigido é seu único corpo possível. E, apesar da sensação enganosa de evidência deixada pelos eurecas, não há definitivamente nada de óbvio, nada de natural ou espontâneo na sua percepção. É preciso moldar a coisa, com mãos de artesão, é preciso fazer curvar algo da realidade para que ela possa tomar existência. Pois tem que ser concebida antes de percebida.

Quando se intui que há uma tese possível por ali, é como se notasse os indícios de um alinhamento de vários planos, a configuração de um sulco que cruza um terreno de heterogêneos e acidentes. Então dá pra dizer: ali pode correr um rio. Mas se não se monta logo barragem e desvia curso d’água na vertente, enquanto ainda se sustenta a precária incidência da perspectiva reveladora, o tal rio evapora da paisagem e o alinhamento se desmancha. Como se nunca.

Anúncios
Published in: on 03/04/2009 at 14:43  Deixe um comentário  

The URI to TrackBack this entry is: https://flanelografo.wordpress.com/2009/04/03/da-virtualidade/trackback/

RSS feed for comments on this post.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: